Archive for category: Tips


A importância do treino complementar de um Surfista de alto rendimento

A importância do treino complementar de um Surfista de alto rendimento

Em 2016 foi escrito um artigo sobre o estudo do impacto de 4 semanas sem treino de resistência em surfistas adolescentes

Apesar de se tratar de um estudo dado a conhecer em 2016, parece-me super pertinente e bastante atual, para atletas e treinadores, relembrando ainda os tempos de quarentena.

Qual o impacto da paragem do treino, em jovens Surfistas profissionais?

O Objeto de estudo analisou qual o impacto de ficar sem treinar fora de água – treino de resistência, durante 4 semanas.

Foram feitos testes antes e depois deste período, de forma analisar o impacto na força, potência e capacidade sensório-motora do surfistas em questão.

Notem, que ao fazer tradução à letras, eu entendo treino de resistência como treino fora de água, com resistências externas – Treino de Força. Mas já vamos esclarecer melhor mais à frente.

O publico alvo deste estudo foram 19 surfistas adolescentes de idades compreendidas entre os 12 e os 15 anos.

Estes surfistas, tinham antes da paragem de 4 semanas, sido submetidos a um período de treino de 7 semanas.

A paragem refere-se apenas ao treino fora de água. O Surf continuou.

As capacidades físicas analisadas foram a Força, a Potência e a capacidade Sensório-motora.

O Estudo concluiu que “o surf, na ausência de treino de resistência, não é um estímulo de treino suficiente para manter as capacidades. Surfistas adolescentes com uma idade de treino relativamente baixa devem evitar a interrupção do treino de resistência e e devem esforçar-se para manter o treino de resistência consistente em conjunto com o treino de surf, a fim de evitar decréscimos negativos nas capacidades físicas, que estão associadas ao desempenho do surf.”

Convido atletas e treinadores e pais a ler.

Link:  Effect of Four Weeks Detraining on Strength, Power, and Sensorimotor Ability of Adolescent Surfers

Os meus comentários:

Destaco uma preocupação que me parece que está a deixar muitos atletas muito aquém do seu verdadeiro potencial e que também neste artigo é referido: Aparentemente muitos atletas e treinadores não parecem dar ainda a devida importância ao treino fora do mar como complemento ao treino do Surf no Mar. Nem me refiro ao treino fora de água, porque considero a piscina, também um excelente laboratório de trabalho. Então, para além do treino em piscina, há que planear e abordar o treino de força, funcional, pliométrico, cardiovascular, vestibular, e por aí fora,… que nos permitem afinar a abordagem em números, analisar os dados, tirar conclusões. Assim, cabe ao treinador fazer um trabalho completo, que mostre conhecimento e interesse no atleta, de forma a explorar todo o potencial de todo e qualquer atleta.

Bem sei que é difícil ir para o ginásio quando as ondas estão muito boas e se as ondas estão sempre boas, então todo o planeamento fica sem efeito e em suspenso.

No entanto, na minha opinião, é aqui que reside o grande diferencial do quanto um qualquer atleta/treinador que não leva a sério uma metodologia de organização e planeamento da época desportiva, se poderia destacar.

O melhor trabalho que vejo a ser feito hoje, (e sem dúvida que está a ter frutos em alguns casos), é resultado do expertise em filmar e mostrar as filmagens aos atletas.

No entanto a um determinado nível de performance do atleta, um treinador já não está lá para ensinar a técnica. Esse trabalho é praticamente feito pelo próprio atleta, que tem referencias de outros surfistas.

Nesta fase é bom que o atleta seja bem melhor surfista que o treinador, pois o trabalho do treinador, não é ser surfista nem videomaker, apesar de ajudar bastante. No entanto, sãom os gransdes skills de surfista e muitas vezes só isso mesmo, que preenchem muitas páginas dos seus curriculos.

Nesta fase o trabalho do treinador deve ser de planear e analisar permanentemente os dados do seu atleta e até dos atletas com que este tem de se defrontar para chagar a patamares de desempenho competitivo mais elevados.

Pessoalmente considero o trabalho de organizar e planear a evolução de um atleta bem complexo. Bem mais importante do que descobrir onde tenho tempo de mostrar as gravações, que me parece ser a maior preocupação de tantos treinadores com que me relaciono, a minha maior dificuldade está em encontrar uma fórmula que me permita trabalhar todas as qualidades físicas, a técnica do surf, fazer uma análise constante e avaliações regulares, para perceber se estamos a evoluir, para reajustar se necessário.

Preocupa-me também, onde e como medir a recuperação dos atletas, pois frequentemente esta é uma queixa visível que pode estar relacionada com muitas coisas: alimentação, sono, hidratação, as viagens e jet lag das viagnes, entre outras preocupações sejam emocionais ou relacionadas com a família e o estudo.

É realmente um trabalho intenso, complexo, exigente, mas altamente divertido e estimulante. Cada atleta é como que um novo ratinho de laboratório, para nós aplicarmos a metodologia em que acreditamos a ajustarmos à individualidade de cada um.

 

Como saber que é hora de deixar a espuma e ir para as ondas?

Como saber que é hora de deixar a espuma e ir para as ondas?

Depende das habilidades adquiridas, do controlo da prancha, da educação de mar, e do saber estar, sem importunar o lazer dos outros.

Na Good Surf Good Love, damos uma relevância muito grande ao permanente controlo da prancha.

Mas não é só. Tudo se analisa em dados e são estes dados que costumamos usar para definir níveis de habilidade: controlo motor, força e resistência específica, mobilidade e conhecimento de si próprio e do mar.

Se é que se pode fazer alguma regra, em resposta a esta questão, podes começar a ir para o outside e deixar a espuma, se já adquiriste, de forma consistente as seguintes habilidades:

  1. Pões e ficas de pé com sucesso e conservas o equilíbrio, ao correr a espuma até à praia, em mais de 80% das tuas ondas.
  2. És capaz de manter a tua prancha controlada (debaixo das tuas mãos, debaixo do braço, debaixo da barriga ou nos teus pés), mais de 80% do tempo e mostras intenção de melhorar esse controlo.
  3. Sabes identificar uma direita e uma esquerda.
  4. Consegues conduzir a tua prancha para a esquerda ou para a direita, por decisão tua.
  5. Consegues correr as espumas para a direita e para a esquerda, até à praia.
  6. Sabes sair/descer da prancha com controlo, sem perder a prancha.
  7. Consegues dividir a tua atenção entre o controlo das tuas habilidades, e tudo o resto que se passa à tua volta, de forma a não colocares ninguém em risco de colisão.
  8. Compreendes minimamente como a zona de surf se organiza, de forma a saberes por onde poderás ir até ao outside, sem prejudicares as corridas dos surfistas, e sem te colocares em risco, a ti ou aos outros praticantes.
  9. Sabendo nós que o risco está sempre associado, tens noção por onde o podes/deves minimizar.
  10. Se nas tuas sessões de espuma não apanhas ainda pelo menos umas 20 ondas e tens sucesso em mais de 16, então continua a praticar nestes 2 aspectos, até seres consistente, pois no lineup, tens de “disputar” ondas e fazer por merecê-las. Se falhas muitas ondas, não vais ser respeitado num dias de ondas boas pelos verdadeiros surfistas. Além disso, nunca é demais repetir, vais estar a colocar-te a ti e aos outros praticantes e surfistas em risco!

Considera as seguintes notas:

NOTA 1:  Quando referimos que já adquiriste determinada habilidade, queremos dizer que tens sucesso nas referidas tarefas, mais de 80% das vezes. Ou seja, em cada 10 tentativas, és bem sucedido em 8. Lembra-te também que estas são as habilidades que já dominas nas espumas! Se ainda não as dominas, não vale ainda a pena ires aventurar-te no lineup, ou na zona dos surfistas.

NOTA 2: A primeira vez que vais até ao lineup, deve ser num dia de mar muito pequeno e, numa zona com poucas pessoas.

NOTA 3: Quando falamos em colocar alguém em risco, falamos da sua integridade física, do seu equipamento e da sua disposição, que é tão importante como um corte na cara ou um ding na prancha.

NOTA 4: O ideal é que esta progressão seja acompanhada e monitorizada por um profissional qualificados. (mais uma matéria absolutamente polémica e extensa para abordarmos em breve 😅)

Umas das regras que deveria gerir os linups hoje em dia é a regra dos mestres havaianos, que simplesmente consideravam vergonhoso alguém interferir na onda de outro surfista.

Acerca desta matéria, há muito mais que falar:

Prioridades, localismos, quem deve estar onde, e que comportamento ter, sabendo nós que a nova era do surf, implementou também novas formas de estar que noutros tempos não eram aceites, e ainda hoje, não o são, pelos surfistas do tempo dos linups vazios. Mais uma daquelas matéria que gostava de muito de debater!😬😉

DICAS SOBRE SURF SPOTS EM SANTA CRUZ

🇵🇹  A Costa Portuguesa tem inúmeras praias lindas. Algumas com mais, outras com menos consistencia para surfar. 

 

Santa Cruz é uma encantadora e pequena cidade, com alguns restaurantes e bares de praia e com tudo o que precisas para umas férias relaxantes. 

Julho e agosto são o pico da estação do ano e estão cheios de pessoas por todo o lado, mas conseguem, ainda assim, ser mais calmos do que em qualquer outra praia próxima tão conhecida como a Nazaré, Peniche ou a Ericeira. 

 

Em Santa Cruz, os habitantes locais têm o hábito de ir a casa almoçar, o que, num dia de verão, faz com que consigas encontrar a praia vazia até as 3 ou 4 da tarde, quando começa a encher-se outra vez. .

😉  O resto do ano:

Meia Estação: maio, junho, setembro – mais serviços estão disponíveis, mas a praia continua quase vazia. – O meu conselho é, se puderes, visita-nos nesta altura… A partir de meio de junho até meio de setembro encontras controlo de salva-vidas nas praias mais frequentadas. Não estejas à espera de encontrar grandes festas pela noite fora, porque, de momento, não há nenhuma discoteca aberta. Contudo, podes sim encontrar bares simpáticos que te acolherão a ti, aos teus companheiros e à tua família como amigos. 

E durante o inverno? -Bom… inverno é inverno. Mas nunca te esqueças, estamos em PORTUGAL, onde o sol brilha! Hoje, 11 de dezembro de 2019, estão 16ºC e claro… FAZ SOL!!! 🔆

Agora, vamos falar das condições para o Surf !!

.

A costa é totalmente virada para oeste, sem cuts para proteger da forte ondulação que vem na sua direção, o que torna o mar e as ondas muito fortes, mesmo durante o verão.

Uma coisa que precisas de saber é, devido ás marés, temos semanas sem condições para surfar à luz do dia, especialmente para surfistas menos experientes.

Deixa-me explicar: 

A inclinação da praia é íngreme, por isso, quando está maré cheia, normalmente, as ondas não quebram. A melhor maré para alguém com alguma experiência no surf será meia maré, e para os com menos experiência, será a maré baixa.

Como sabes, há normalmente dois períodos de maré cheia e dois períodos de maré vazia durante o dia. O intervalo entre a maré alta e a maré baixa é aproximadamente 6 horas. 

Faz as contas! 📉

As aulas vão ter de ser sempre perto do horário da maré baixa. 

A dica mais importante que te posso dar: 

Tem sempre a maré e as provisões em consideração e, por favor, NUNCA MAS NUNCA pratiques Surf em Santa Cruz sozinho. 

E por favor não te chateies connosco se não te alugarmos o nosso equipamento de surf, mesmo que sejas experiente… Estamos a penas a tentar proteger-te!  

🙏   A coisa de que mais gostamos é, mesmo estando ótimas condições para surfar, estamos completamente sozinhos nesta praia. A razão para isto acontecer é, a maioria dos surfistas, Instrutores de Surf, e outros negócios relacionados com este desporto, residem na cidade e têm trabalho durante a estação fria. Assim… isto faz com que toda a gente perca as boas condições para surfar, o que significa… MAIS PARA TI!!!!

👩‍🎓  Viver aquilo que Santa Cruz tem, de melhor, para oferecer requer conhecimento do mar e viver ao pé da praia, para que conheças a costa de cor. 

⚠️  Se quiseres fazer umas férias dedicadas ao surf por esta zona, coisa que recomendamos a 100%, não hesites em falar connosco, e vamos aconselhar-te uma boa semana, pelo menos tendo em consideração o teu nível de surf. 

❓  Se já surfaste na Praia de Santa Cruz, diz-nos quaias foram as tuas dificuldades e em que é que te posso ajudar para melhorar a tua performance no surf? 

Teachers Teach – Surfers… Beach 😎

 

É normal um surfista tentar ensinar um amigo a surfar como ele. Mas não nos podemos esquecer que, quando recebemos um novo convidado nas nossas aulas de surf – rapaz, rapariga, mulher ou homem – ele não passou todas aquelas horas que nós passámos dentro do mar quando éramos mais novos.

Temos de olhar para o seu processo de aprendizagem de outro ponto de vista: do ponto de vista do professor: como é que eu posso proporcionar a esta pessoa a sua melhor preformance em apenas uma semana?

A única maneira é através do conhecimento. Saber exatamente onde é que podem encurtar a sua curva de aprendizagem, como é que podemos fazê-los sentir o sentimento correto – o sentimento de equilíbrio e de controlo, de como a mecânica do corpo funciona, como é que o corpo se equilibra numa plataforma móbil, com menos erros do que aqueles que tivemos tempo de cometer, com mais compreensão de si próprios, com expectativas reais relativamente ao que cada um consegue realmente alcançar e também muitoooo importante: como é que eles podem entender o mar – o elemento que nunca tem um movimento repetido.

O processo de aprendizagem tem tanta coisa em consideração…

Se todas as variáveis forem agrupadas, o processo pode ser simples e eficiente. Por outro lado, se tentarmos impor um registo diferente da verdadeira funcionalidade biomecânica, física, elétrica e química necessária para a retenção de informação sensório-motora de memória a longo prazo, não vai funcionar de forma eficiente.

Neurociência diz-nos que para aprender, é necessário um químico específico – a dopamina. E este químico é libertado para o nosso sangue quando a aprendizagem é feita em condições de entusiasmo, felicidade e satisfação.

A dopamina aumenta a memória cerebral e também cria motivação.

Emoções negativas, tal como a frustração de falhar e a comparação com outras pessoas promove barreiras motoras e a memória cerebral.

Assim, aprender pode e deve ser fácil e divertido.

Cair uma e outra vez não é divertido. Deste ponto de vista, eu penso que toda a gente precisa de um processo de aprendizagem ajustado à sua individualidade, às suas capacidades e condições físicas, especialmente qualquer adulto!!

😌😌 😉😁

by Tralha

As crianças podem surfar mesmo não sabendo nadar?

Por vezes, os pais pensam que, pelos seus filhos não terem ainda aprendido a nadar, não podem aprender a surfar.
Bem, na nossa academia somos nós que ensimanos os nossos alunos a nadar em clubes de natação ou escolas oficiais. Nas nossas aulas, temos um ambiente de aprendizagem controlado. Primeiro, temos de ganhar a confiança da criança, mantendo-os divertidos e confortáveis e sempre, SEMPRE seguros.
Mais tarde, vamos então preocupar-nos com os aspetos mais técnicos do surf.
Por agora, entre os 2 e os 5 anos, nós educamosensinamos enquanto nos divertimos.
Neste vídeo, quando eu apareço sem o equipamento da academia – a licra de instrutora – estou a brincar informalmente com os meus sobrinhos no meu dia de folga. Quando estou equipada, estou a ensinar e a educar novos surfistas e banhistas.
Qual é a diferença? Quando os pais destas crianças compreendem que nós somos também educados e treinados para este papel, NENHUMA.
#teacher #professor #education #educacional #children #happykids #surfingkids #surfgirl #surfer #beach #summer #surfingscience #surfing

Programa Semanal Surfing Science

Durante a semana, acabaremos por nos encontrar quase todos os dias durante algumas horas, alguns dias até duas vezes, para falarmos sobre Surf e para praticá-lo.
Vamos aceitar um pequeno grupo de 4 a 8 pessoas para a nossa equipa.
Pessoalmente, eu quero conduzir a tua experiencia no surf para uma aprendizagem sensorial do que é tornares-te um surfista, e como? Pela aceitação do teu nível e do nível dos outros, tal como as vossas capacidades, e pelo aproveitamento de cada onda nova com a Good Surf Good Love, à tua maneira e estilo!
Para mim, o Surf é isto. Na verdade, a vida é isto! É viver, à tua maneira! Assim que aceitares o teu nível de capacidades, todas as outras escolhas vão acabar por se alterar de acordo com esta primeira regra: Respeita-te!
Esta semana vais aprender os básicos. No futuro, podes ir em busca de mais.
Os básicos são básicos – OS BÁSICOS:
 
* Cultura do Surf  ;
* Relação com o novo elemento – A PRANCHA;
* A maneira mais fácil de te pores de pé, te manteres de pé e de percorreres a onda;
* Biomecânicas –  Como é que o corpo humano funciona. Não o podes obrigar a mexer-se de outra maneira. Tem mais de 350 anos;
* Posição base estudada para melhores resultados;
* O Eu, o mar e os outros – A Minha Pirâmide do RESPEITO.
–  Os tipos de onda – espuminha vs. ondas verdes
– A multidão – os locais vs. os não locais – uma abordagem correta e respeitosa relativamente a ninguém ser dono da Natureza.
– A primeira semana a surfar pela primeira vez – é tempo de espuma. Porque? – Porque preciso que pratiques o padrão de movimentos correto, atrvés da repetição.

Para quem é este programa? : 

  • Se nunca surfaste antes – és bem-vindo.
  • Se surfaste uma ou duas vezes, em escolas, campos ou com amigos, este programa é para ti!
  • Se já estiveste noutros programas, mas o teu pôr e manter de pé na prancha é inconsistente, és bem-vindo. Com consistente, eu quero dizer: em cada 10 ondas, és bem sucedido em, pelo menos, 6 a 10. Tal como em qualquer outro exame, se a tua média é inferior a isto, vem para a nossa certificação de nível 0.
  • Se desejas aprender sobre a ciência que está por trás do Surf, e dares a ti próprio a possibilidade de aprenderes o meu método passo-a-passo no surf, isto é definitivamente para ti!

Deves ir buscar a tua inscrição rápido, porque só vamos receber 8 pessoas.

 

Aumenta o teu nível sem pressas. As tuas habilidades vão ser aprendidas e consolidadas!
 
O que é que está incluido:
7 noites na nossa Catus Homie ou num apartamento muito próximo.
12 horas de Educação de surf e mar (teoria, prática, análises e discussões sobre o desempenho e dificuldades de cada um, decidir qual o processo de aprendizagem mais eficiente).
Pequeno-almoço –  ovos, queijo, aveia, fruta, café, água e chá.
– Um Jantar à Portuguesa servido com o vinho do meu irmão.
Seguro, todo o equipamento – adequado ao teu nível e ao tempo.
– Fotografias da semana.
– Apenas de 4 a 8 de vocês, para 2 a 3 de nós.
 
Quanto custa: 799€
Extras:
– Por quarto privado – Extra 280€.
– Por apartamento privado – Extra 300€ (para ti, ou para dois, no caso de quereres trazer alguém que não queira juntar-se ao programa ou que já seja independente).
– Aluguer do carro (sob consulta). Terás imenso tempo e imensas coisas para visitar…
– Aluguer de bicicleta ou skate – cerca de 5€ por dia.
Programa Surfing Science REGRAS:
O programa é organizado tendo em consideração as marés e condições de ondas. Nós vamos ajustando ao longo da semana, se necessário, considerando o nível do grupo, as habilidades e a vossa felicidade e boa-disposição!
Caminhamos até à praia.
Tens liberdade durante a maior parte do dia.
Não vais ficar preso na praia com todos os outros, porque a casa fica bastante perto (à distância de uma caminhada).
Não ficamos na praia se estiver muito calor, muito frio, a chover ou muito vento, porque não é confortável. Mas podes ficar se quiseres. Somos todos diferentes.
Isto não é um campo de férias, é uma semana de workshop.
Este programa não é um passatempo de qualidade ou lazer para turistas. Foi humildemente programado para vos ensinar o prazer e a felicidade dos dias de surf e deste estilo de vida.
Não temos transporte incluído, porque temos a melhor localização de sempre. Temos o mar do teu lado direito e do teu lado esquerdo. Mas claro, normalmente levamos-te no nosso Land Rover old-school para te darmos a conhecer as redondezas e para ires a surfshops ou supermercados. Contudo, saliento uma vez mais que TUDO ESTÁ À DISTÂNCIA DE UMA PEQUENA CAMINHADA. 
A comida incluída são os produtos do pequeno-almoço e um jantar à Portuguesa, cozinhado pela Tralha!
Vem ver o surf em Portugal do meu ponto de vista!

OUTRAS DATAS:

24 Junho to 1 Julho – Surfing Science  certificação de nível 0

1 a 8 Julho – Surfing Science certificação de nível 1

8 a 15 Julho – Surfing Science certificação de nível 1

2 a 9 Setembro – Surfing Science certificação de nível 0

9 a 16 Setembro – Surfing Science certificação de nível 1

30 Setembro a 7 Outubro – ALLBOARD – fim da temporada