Archive for category: Uncategorized


Escala de Borg

Como medir a intensidade do treino: relação entre Frequência Cardíaca e Treino

Desempenho desportivo, melhorar a condição física geral, controlar o peso, ou desenvolver a condição física específica para o surf. Se tens um destes objetivos, é importante monitorizar a Frequência Cardíaca durante o treino. 😉

🔹 O controlo e monitorização da Frequência Cardíaca (FC) é uma excelente ferramenta, para gerir de forma mais precisa os intervalos de intensidade de treino. 

🔹 Mesmo sem um cardiofrequencímetro, é relativamente fácil fazer esta mesma monitorização, ainda que de forma menos precisa. Para fazer esta monitorização podes usar a Escala de Borg.

O que é Escala de Borg?

A Escala de Borg, ou Tabela de Borg, do fisiologista sueco Gunnar Borg, é lista de sensações, que permitem classificar de forma subjetiva o esforço de um indivíduo.

🔹 A Percepção Subjectiva do Esforço (PSE) é um método válido na monitorização da intensidade no treino cardiovascular.

🔹 A fiabilidade na classificação da intensidade no treino de força, tem margem de erro. No entanto, é uma boa ferramenta.

Como te pode ajudar?

Ao usares a tabela, também podes transferir as sensações que tens nas tuas sessões de Surf. Depois tenta caracterizar o teu esforço, por exemplo durante a remada para o pico, quando terminas de correr a onda, ou quando remas de forma mais vigorosa para apanhar a onda. 

Se identificares as sensações, vais conseguir perceber que tipo de intensidade estás a usar. Ao perceberes as áreas de intensidade, vais ter informação sobre que intensidades podes treinar em terra, quando não o podes fazer no mar. 

Caso tenhas um cardiofrequencímetro ou não, já podes treinar de forma mais assertiva. 

Para obteres mais informação, co nsulta também este artigo, onde encontras mais uma ferramenta, para mensurares a tua FC de treino.

Preenches com os teus dados: Idade e Frequência Cardíaca de Repouso e a ferramenta dar-te automaticamente as tuas Frequências Cardíacas de treino, para diferentes intervalos de intensidade. Dependendo dos teus objetivos, já podes monitorizar o teu intervalo de treino de FC. 🤩

Relationship of harmony between the individual – sea – surfboard = Surf Flow

Harmony between the individual – sea – surfboard

I often hear among my students and other surfers, regardless of levels, the following remark:

❓ “I would like to try a different or smaller board. This one is already too easy?

And I ask, “What do you mean you’re having so much fun you can’t take it anymore!?” 😂  🤷

I know many other reasons for not choosing the right board, but this is one of the most recurring ones.

Once and for all: The board should help us because we already have the sea which is unrepeatable and requires many “flying hours” to learn to feel and read it. Ah, and us, our physical condition and abilities to manage too, getting in our way. Are you sure you want a board that “robs” you of the best part of surfing, the fun, that “feeling” that real surfers know.

🤷. What I’m going to say maybe shocking, but most of the people who are already independent in the sea, still don’t know this “feeling” of sliding in harmony on the board and in the most interesting part of the wave. I don’t care if he is a great surfer, the best on the beach or on his street.

Sometimes the great surfers impose maneuvers on the sea that it doesn’t ask for, and for me, this is not surfing. But I can also see an individual with very little experience of practice, gliding with the harmony that I speak to you, and without knowing anything, there he goes in complete pleasure of slide with the board at sea, in full harmony.

🤔  As I’ve heard it said: “Without knowing how to read or write, that one made a big wave”!

Then there are also those who forget about the sea, either when they paddle out to try to catch the wave and they don’t have enough experience to feel or guess it, who know enough about the sea when they watch others on the beach, but then when they are in their session they “turn their back” on the sea and don’t communicate with the waves, don’t read it, don’t listen to it, and so don’t know what the sea wants to tell them.

🎖 For these I have a tip: You will feel the sea, no board. Just you and the waves. Do little reels, cut the green waves, make contests with friends, to see who goes longer in the wave! Indispensable condition, to move on to Level 1, at Good Surf Good Love.

Seriously, the real feeling, the reason why we miss social and family events, wake up at the crack of dawn, drive miles and miles behind perfect waves, is more than the contact with nature. It is more than the good that the sea does us.

The greatest good is to feel that HARMONY, the full control of sliding with the right board, in the right place of the wave, without using our strength before we have explored the energetic potential of the wave.

😉  And you, have you felt that full harmony? 😁

💬 How would you describe the feeling when running the wave?

 

16 most common mistakes of base position 

16 most common mistakes of base position 

Previously I have already given you our very general description of the Surf Base Position, the one we advocate in our teaching method. Today we will describe to you some of the most common mistakes.

    1. Very open base – This gives you much less range of motion in the hip, and also causes your body weight to be projected backwards from the centre of the board, which will cause you to brake. The so-called ‘foot on the nose, foot on tail’ position will also take away balance, stability and leg strength, which you will need later on when you start manoeuvring.
    2. Very closed base – Very closed base will also take away balance and stability. In fact, a mistake that is not listed here and that you should know is that the feet should not remain fixed, but should be adjusted. Even when you are still only moving forward, you should train your dancing feet, light on the board, so that you can adjust them when it becomes more necessary.
    3.  Front foot points to the nose – This one I have unfortunately seen taught on the beach. Serious, as it also doesn’t allow you to have balance on the board and will also make turning difficult. If you make this mistake you should correct it by over-correcting and placing it perpendicular to the stringer of the board – that wooden line that runs across the whole board from the back to the front edge.
    4. Thinking that the back foot must be on top of the keels at this early stage – so if the feet/handles should be shoulder-width apart, more or less, and if the front foot should be in the centre/middle of the board, just do the maths. Of course, we will need to put the back foot there on the fins to turn. But for now, the turns, while the turning angle is still small, can be done with a slight bending movement, looking and turning/tilting on the way up. Later we will move both feet if it is a big board or just the back foot if you are a shortboarder, to make a more radical turn.
    5. Thinking that the position of the feet is fixed – It isn’t. Whether you ride a big board or a small board, you’re going to have to adjust your feet a lot depending on the manoeuvres you want to do.
    6. Knees apart and pointed in opposite directions – The back knee should also point forward to allow for greater hip-femoral functionality.
    7. Legs/ Knees too bent – I have said before in other posts that this is one of the reasons many of the riders are condemning the evolution. This exaggerated strength in the legs is not necessary when the ride on the wave is controlled. On the contrary, it will make you unable to use them to make a change of direction or absorb instability along the wave.
    8. High tension legs – I reinforce the previous description. To understand how serious this error is.
    9. Lateral pelvis and shoulders – Over-correcting, in order for the brain to process the information about the required position, we should try to turn the shoulders aligning with the perpendicular of the stringer of the board and the pelvis should make an angle of at least 45º, never less, so that in the future, it will not be almost impossible to correct this functional constraint.
    10. Arms aligned with the board stringer – Again, overcorrection, both perpendicular to the length of the board.
    11. Arms hang both on the same side of the board – Always, one on each side of the Rail or board edge.
    12. Back foot does not support the heel – Recurring error, often due to lack of mobility in the ankle, often, because if your Trainer, does not identify you the error. If the reason for this mistake is lack of mobility, a coach who is also trained in Physical exercise and health can help, if there is pain, you should seek a therapist.
    13. Look directed at the feet or down – Apart from not knowing where you are going, if you make this mistake, you are also a great danger!!! Look directed where you want to go, ALWAYS!
    14. Very marked “ninja” style – This not at all flexible approach, needs to let in more and new information. Try it and you will see the difference.
    15. Center of mass designed on the back support – Have you noticed, for sure, that sometimes when you miss the wave, after standing up the board points upwards?
    16. Center of mass projected on the 2 supports– It’s due to your ninja position, or lateralized position. The consequence is again, the loss of waves,…

To correct these mistakes? Hummmm, I have a tip: Come and meet us!

Surfing Sciences 2021 Dates – The program have been updated!

Surfing Sciences Program Dates 2021

1️⃣ June 13th to 27th

2️⃣ June 27th to July 11th

3️⃣ July 11th to July 25th

4️⃣ July 25th to August 8th

5️⃣ August 22nd to September 5th

6️⃣ September 5th to October 3rd

7️⃣ October 3rd to 17th

8️⃣ October 3rd to 31st

How do I know it’s time to leave the white water and go on adventure on the green waves?

How do you know it’s time to leave the white water and go Surf on the green waves?

Read more

Erros de Surfista Principiante

Erros de Surfista Principiante

1️⃣ Misturar lazer social com a verdadeira vontade de aprender a fazer Surf. 

💎 No Surf fazem-se amigos para a vida. Facto!

No entanto, há que ter em consideração qual o verdadeiro objetivo que quermos do Surf. que tipo de surfista queremos ser. Durante alguns anos eu cometi o erro de ir com pessoas que surfavam muito mais do que eu, por isso acabava num pico que não me proporcionava evolução, apesar de ser ótimo ir com surfistas melhores que nós, porque acabam por puxar pelo nosso nível. Mas se o nível for completamente desfazado, só nos atrasa!

Hoje em dia, costumo surfar muitas vezes com surfistas menos habilidosos que eu, então, acabo por não ver evolução no meu surf. Apesar que a nossa evolução não depende disso, mas ajuda!

Então amigos amigos, ondas à parte.

Uma coisa é uma experiência, outra coisa é querer ser praticante de Surf ou mesmo surfista. Se a tua ambição é vir a ser praticante regular, escolhe a tua companhia das sessões de surf e ou a escola pela formação dos Treinadores e pela sua organização em geral.

Os amigos, a diversão e o lazer estão naturalmente inerentes!

Surf é das melhores coisas que podemos fazer na vida, sem dúvida nenhuma! Investe de forma sábia! 😉

 

2️⃣ Usar a prancha errada para o seu nível!

💸 Não apresses a troca de pranchas, para pranchas mais pequenas e muito menos para as pranchas de “plástico”, que nem são de escola nem de aprendizagem, e na nossa opinião, nem de evolução.

Explora todos os tamanhos de softboards da tua escola, e só depois, adquire a tua própria prancha de fibra já com alguma performance.  

3️⃣ Surfar no local/spot/pico/linup errado para o seu nível!

😉 Já abordámos este assunto anteriormente, noutros posts. Não há razão nenhuma para quereres surfar nos melhores picos da praia, se o teu Surf também ainda não é o melhor da praia. Esses locais, conquistam-se com muita luta, resiliência, investimento e dedicação. 

Dessa forma, um dia serás bem vindo nesses picos/linups/spots ou locais/ zona de surf. 😜👌

12 Sinais que o colega ao teu lado, no linup,  é um KOOK, pápáruco, ninja

12 Sinais que o colega ao teu lado, no linup,  é um KOOK, pápáruco, Ninja 😜

  1. A prancha é um resto de lixo. Está toda amassada e toda partida. – FU-GIR!
  2. Rema aleatoriamente.
  3. Interfere nas ondas dos surfistas.
  4. Atrapalha outros que até sabem mais ou menos o que estão a tentar fazer, apesar de também estarem a aprender.
  5. Quando vêm as ondas maiores, larga a prancha, porque não sabe como a controlar, ou não consegue, ou alguém lhe ensinou assim.
  6. Segura a prancha com os calcanhares
  7. Rema de pernas abertas
  8. Deita-se muito atrás na prancha. 
  9. O nariz da prancha aponta para cima.
  10. A remada… 🤦‍♀️ toda uma matéria só… 🙊
  11. Quando rema para uma onda, só olha em frente
  12. Rema tanto, e a mais, que a onda tem dificuldade em correr atrás dele

Goofy Vs Regular – Surf Stance

Goofy Vs Regular

Posição Básica do Surf – Matéria 2 

Já descrevemos anteriormente, como consideramos ser a melhor posição base, a ter como referência para a aprendizagem inicial do Surf.

Mas também, é importante referir que há pessoas que se sentem mais conforto e equilíbrio ao colocar o pé direito à frente – GOOFY, e outras que sentem maior estabilidade com o pé esquerdo à frente na prancha de Surf – REGULAR. 

Para muitos na área, esta decisão é tomada considerando o pé de chamada, ou o pé mais forte, por exemplo o pé que chuta na bola, sendo que este deveria ser o pé de trás ou, também há muito o hábito de empurrar a pessoa para ver qual o pé que avança, sendo que este devia ser o da frente. 

Então resume-se comumente que o pé mais forte é o de trás na prancha ou que o pé que trava quando empurramos uma pessoa, é o da frente. 

Na Good Surf Good Love, não usamos nenhum destes métodos, pois sabemos que existe uma percentagem bem grande de surfistas goofy, surfistas que usam o pé esquerdo atrás e que fazem todos os outros desportos com o pé direito, às vezes, até mesmo o snowboarding ou o skatboarding.

Já agora, sabiam que a expressão de “Goofy” vem bem lá de trás de 1937, quando a Walt Disney, lançou um desenho animado do Pateta – Goofy a fazer surf com o pé direito à frente, na sua prancha? O filme chamava-se “Hawaiian Holiday”, procurem no YouTube. Atenção que este termo, não quer dizer que, quem faz surf com o pé direito à frente não vá ser um bom surfista. Espreitem a média de surfistas goofyes e Regulares do campeonato da 1ª liga mundial para ver que estão quase a meio as percentagens. 

Por isso, é importante que, no caso dos adultos, se respeitem os programas mecânicos que o corpo trás de outras práticas, sem nunca o contrariar, procurando maior conforto numa das posições; no caso das crianças, se tiverem menos de 6 anos, será natural que subam de ambas as formas, pois estão na fase ótima de aprendizagem psicomotora. Nesta fase, os pequenos são uma esponja! Por nós, não gostamos muito de contrariar este brincar com as suas habilidades, mas é habitual sermos “forçados” a uma especialização precoce, mais por impaciências dos pais ou reparo das crianças entre si, do que por nossa vontade. 😅 

A partir dos 6 anos, é comum que também já tenham esta base definida para um dos lados. Aí sim, está na altura de fazermos correções, como por exemplo começar a insistir que se levantem da prancha da forma que consideramos técnica e biomecânicamente mais funcional – sem saltinhos, sem dedinhos dos pés apoiados, sem cansativas flexões de braços, etc…. eheheh mais matéria para um próximo post!

E tu, és Regular ou Goofy?

Partilha este post com um amigo que esteja a aprender a fazer Surf ou guarda, para colecionares a matéria da Good Surf Good Love!

Mas se quiseres saber mais, já sabes, estamos pela praia à tua espera!

Share a Wave

Share a Wave!

🙄 Have you ever felt out of place in the place you chose to catch your waves?

Razão‍🚀The reason for this discomfort, maybe at the base of your learning, or in your knowledge of being – behavior!

One way of seeing, what culture?

What I am telling you today is one of the other ways of looking at things, but in the teaching philosophy of Good Surf Good Love, the most correct.

THE ORIGINAL CULTURE

Dear aspirants, practitioners, new surfers, NO ONE who is really a surfer wants to share waves with you!

Sharing a wave is something very special, which is done on an epic day among friends of many surfs, whose performance in surfing is well known, regardless of whether or not they have similar levels.

A surfer uses the wave in all its time and space dimension.

Go ahead far ahead, accelerating by guessing a segment of that wave, to maneuver on a board that predicts going to fall, but soon you may want to go back if the wave remains available/open for more surfing.

THE NEW CULTURE

Usually what we see on the beach, nowadays, in a very “New school” culture, is a very unpleasant game, of sharing both the same wave. The practice of recent practitioners, who normally do not even have the experience and knowledge to understand that:

The waves don’t share. It is a basic rule of safety and ethics: ONE PER WAVE, period!

A reasonable surfer, he doesn’t just surf forwards (he interprets this as surfing in a straight line to the beach or running a wave straight, without ever making a cut back looking for the pocket of the wave). So, thinking that others can go ahead, beside or further back, it makes no sense to us!

The sea is indeed everyone’s, but the waves are not. Whoever caught them first does not have to share them. *1

An important note to retain!

Every time you get on someone else’s wave, even if you know him, you get the notion that you may be putting the person or his equipment at risk of an accident, or nothing less important will disturb his leisure and good mood.

Proper behavior:

If you want an exceptional way to share a wave, take a look at the image! There is nothing more special than catching high waves with one or two friends, sharing those moments in everyone’s memory!

With the right culture and education, please, “SHARE A WAVE!”

* 1 This subject has a lot to tell you … Rule of priorities – Coming soon.

In this suggested format and please, no other: “share a wave” !!! 🙌

Squat – Agachamento

Squat – Agachamento

O agachamento é um dos padrões do movimento do corpo humano mais básicos. 

Apesar de ser um padrão de movimento essencial, muitas crianças e adultos não têm capacidade de realizar um agachamento adequado. 

Mas este movimento, pode e deve ser treinado, não só por atletas, mas por todo o tipo de pessoas, independentemente de fazer parte de um grupo de população especial ou de um indivíduo aparentemente saudável. 

É imperativo que este gesto seja de fácil execução, para todos, para que consigam fazer as funções mais simples do dia a dia, como passar de sentado para de pé, por exemplo.

À primeira vista, a execução do agachamento pode parecer que exige apenas mobilidade nas articulações dos membros inferiores – pernas: Tornozelo, joelho e coxo-femural, mas este movimento, requer controlo motor e mais músculos de todo o corpo.

E o que é o controlo motor?

É a capacidade de um indivíduo usar, de forma eficiente, a amplitude de movimento disponível, através da ativação muscular, numa relação íntima entre, a ordem de contração e a ordem de relaxamento.

Então, é na relação entre a mobilidade e o controlo motor desses movimentos que reside a execução correta, neste caso, do agachamento.

Quando os executantes, atletas ou população em geral, e os técnicos entenderem essa relação, então poderão escolher exercício de progressão, correção ou de otimização e fortalecimento deste movimento básico do corpo humano. 

A Execução – Descrição

  1. De pé, com os pés mais ou menos à largura dos ombros.
  2. Dedos dos pés apontam ligeiramente para fora –  5 a 20 graus.
  3. Olhar em frente
  4. Peito aberto. 
  5. Coluna bem alinhada verticalmente.
  6. Peso distribuído por todo o pé. Imagine um triângulo que une os dois pontos da zona plantar e calcanhar. 
  7. Começar a agachar, 
  8. Braços em elevação frontal, (levantados à frente da cara, paralelos ao chão). 
  9. Deixar a bacia recuar e só depois os joelhos começam a fletir, avançando ligeiramente. 
  10. Em todo o percurso da descida e subida, manter contração do core (abdominais e costas). Tudo bem contraído como se fossemos “levar um murro”.
  11. O peso deve manter todo o pé apoiado, mas os dedos “soltos”. 
  12. Calcanhar sempre no chão em todo o percurso. 
  13. Continuar a descer empurrando a bacia para trás e ao mesmo tempo fletindo mais os joelhos.
  14. Conforme os joelhos vão fletindo, garantir que apontam para a ponta do pé, fazendo pressão para fora. 
  15. A elevação dos braços deve ajudar a permitir que o tronco se mantenha quase vertical (entre os 80 e os 60º no máximo.
  16. Partilhar sempre o peso entre alavancas.
  17. Na descida inspirar e na subida expirar. 
  18. Quando a articulação coxo-femural estiver abaixo do joelho (quando quebrar a paralela) ou mais abaixo ainda, voltamos a subir.
  19. Manter todos os grupos musculares envolvidos contraídos, empurrando o chão, mantendo todo o pé bem enraizado no solo, com foco na pressão nos calcanhares.
  20. Empurrar o chão e estender joelhos, até a cabeça estar bem erguida no ponto mais alto, descendo os braços, de forma sincronizada, desta vez focando na força dos gluteos, para concretizar a subida. 

Nota: Muito importante!

Se existe dor no joelho, tornozelo, coxas ou costas, durante a execução, deve procurar um especialista – um fisioterapeuta! 

Mitos:

Um mito é uma ideia que foi passando entre gerações, mas que não tem validade. 

No caso do agachamento, alguns veem do meu tempo de universidade, em que se fizessem um agachamento completo na avaliação de Fitness, chumbava à disciplina.  🤦‍♀️ 

Mas o agachamento é um movimento básico, natural do corpo humano. 

Por isso, nunca vão nestas conversas: 

“Ao fazer leg press, não desça mais do que a metade.”

“Ao agachar, não vá abaixo da paralela.”

“Não deixe seu joelho ultrapassar seu pé durante as repetições.”

Qual a importância para o Surf?

Se este movimento padrão não é de fácil execução, então é garantido que haverão limitações em determinada fase da progressão do praticante de Surf. 

Aliás, se a pessoa tem dificuldade em erguer-se do chão, imaginem em deslize. 

Por isso, o agachamento total, é um dos exercício que avaliamos na bateria de testes de avaliação da Academia Good Surf Good Love.

No dia do batismo avaliamos a execução: 

  1. Executa com facilidade; 
  2. Executa com dificuldade;
  3. Apresenta dor. 

Com estes dados ajustamos a instrução, de forma a sermos bem sucedidos.

Caso exista dificuldade na execução, apesar de darmos uma solução para esta primeira experiência, damos imediatamente uma noção do impacto que esta lacuna irá ter nas próximas sessões e eventual continuação da progressão.

No caso de haver dor, avaliamos a possibilidade de continuar ou não, mas recomendamos sempre uma consulta com o especialista – o fisioterapeuta. 

Caso exista normal execução, avaliamos a força, mediante o conforto na repetição. Este “teste” irá ajudar-nos a medir a possibilidade de progressão para os níveis 1 e 2 da Academia Good Surf Good Love. 

Com os praticantes da Academia, que se encontram a fazer o nosso Programa de Formação Desportiva, tentamos apoiar na evolução deste e outros movimentos e habilidades básicas. 

Nem sempre somos é bem sucedidos, a este nível 😅. Os adultos porque têm pouco tempo e as crianças porque tanto elas como os pais, muitas vezes veem o Surf como uma brincadeira de passa tempo. 

Mas sempre que os nossos praticantes têm força na guelra e conseguem acompanhar os nossos valores desportivos, estamos cá para dar tudo. 

Como costumo dizer, se a equipa Good Surf Good Love está pronta para dar tudo, daqueles que exigem de nós não admito uma gota de suor a menos!! 

Conclusão 

Agachar é um padrão de movimento humano fundamental que envolve quase todos os músculos do corpo. É útil para apanhar coisas do chão, ir á casa de banho, sentar,  e melhorar a condição física geral. Ah e para o Surf! É essencial para o Surf!

Realizar este movimento, torna-nos mais atléticos, melhora a nossa condição física e a nossa vida em geral.